Selomar Blödorn

Selomar Blödorn

Terça, 12 Abril 2016 05:14

Em vez de reclamar...

"Viver requer maturidade para reconhecer que o que reprovo na estrada, pode ser apenas sujeira no parabrisa."

RESPONDA depressa: quantas vezes você já reclamou hoje? Se estiver dentro da média, acredito que tenha se queixado de pelo menos meia dúzia de coisas desde que despertou esta manhã. E se especifico "na média" é porque há pessoas que vão além, que têm o hábito de reclamar de tudo. Basta perguntar "como vai?" para elas se queixarem. Como disse certa vez o filósofo alemão Arthur Schopenhauer, "raramente pensamos naquilo que temos, mas sempre no que nos falta." Ouvi uma história exemplar a esse respeito. Para lembrar seus alunos de dar mais valor à própria vida, um professor criou um exercício interessante. Propôs que os jovens passassem 24 horas sem reclamar. A primeira reação deles, claro, foi criticar a tarefa. Mas, em seguida, concordaram em anotar em um papel cada vez que estavam na iminência de resmungar – e do quê. Na avaliação, a turma se surpreendeu. Primeiro, com o alto número de reclamações. Depois, por elas não serem relevantes. "Não tenho tanto do que reclamar", disse um aluno. "Reclamo de coisas banais", concluiu outro. Na segunda parte do exercício, o mestre distribuiu folhas onde se lia: "Agradeço por…" e pediu a eles que completassem a frase. Todos fizeram listas longas, em geral incluindo o amor de pessoas queridas, saúde, segurança, liberdade, posse de bem materiais, habilidades, experiências, oportunidades, conhecimentos. Por fim, o professor recomendou que cada um lesse sua lista quatro vezes ao dia. Ao final do exercício eles confessaram sentir uma enorme diferença. A valorização da abundância, como previa o professor, provocou mudanças visíveis nas pessoas, melhorando da postura à expressão corporal, além de ter colocado sorrisos em todos os rostos. A lição ficou para a vida: os alunos descobriram que ao voltar sua atenção para os aspectos positivos, estavam dando espaço à felicidade.

Sentir e expressar gratidão pode – e deve – se tornar um hábito. Basta lançar um olhar atento para dentro de si mesmo e perguntar: tenho mais motivos para agradecer ou para me queixar? A resposta irá aparecer nas suas atitudes.

Selomar Palm Blödorn

Presidente ACI/CDL 2015/2017

 

 

Segunda, 29 Fevereiro 2016 16:04

Como Manter Sua Equipe Unida

Nos negócios ou fora deles, nada é mais valioso que a união das pessoas. Em sua equipe não é diferente. É preciso que todos caminhem juntos, para obterem os resultados desejados. Conclui-se, portanto, que a unidade é a alma de uma equipe vitoriosa. Sendo assim, relacionamos alguns passos para resgatar e manter a unidade de sua equipe:

  1. Prefira incentivar a criticar

É sempre mais fácil ficar de lado e atirar pedras naqueles que estão trabalhando e servindo do que se envolver e contribuir. Críticas existem e são importantes na melhora do comportamento e conquista de resultados, porém não se deve julgar ou desprezar quem quer que seja simplesmente por terem convicções diferentes. Ao contrário, as pessoas da equipe devem estar juntas, buscando a harmonia uns com os outros, ajudando-os mutuamente com palavras encorajadoras, pondo-os para cima, apontando suas virtudes e não suas falhas.

  1. Recuse ouvir fofocas

Fofocar é transmitir informações quando você nem é parte do problema e nem da solução. Quando alguém começar a fofocar ao seu lado, não dê ouvido. Diga que pare e que você não precisa disso. A melhor forma de se por um fim nesse assunto é enfrentar os que fofocam e pedir para que parem. As fofocas acabam quando o fofoqueiro não encontra ninguém que lhe dê ouvido.

  1. Busque a solução de conflitos

Onde há pessoas com diferentes ideias, existe a possibilidade de haver conflitos. Nesse caso é sempre melhor se buscar a solução o mais rápido possível. O primeiro passo é conversar direta e particularmente com os envolvidos. Se não for possível solucionar dessa forma, o segundo passo é ter alguém que sirva de testemunha para ajudarem a confirmar o problema e reconciliar a relação entre eles. Caso ainda não seja solucionado o conflito, o melhor caminho é levar esse problema para que todos da equipe possam ajudar. Se ainda assim persistir, talvez seja melhor afastá-los da equipe.

 

Selomar Palm Blödorn

Presidente ACI/CDL 2015/2017

Segunda, 07 Dezembro 2015 13:59

O que fazer com o 13º?

O fim de ano já chegou. Com o 13º salário na conta e o clima de festa no ar, por que não fazer aquela viagem dos sonhos durante as férias? Eis, então, que bate aquela dúvida: com um extra no bolso, será que dá pra se permitir pequenos luxos ou o melhor é aproveitar pra pagar as dívidas pendentes? Antes de sair gastando por aí, pare e reflita. Faça um diagnóstico da sua situação financeira.


Está endividado? Reserve parte do 13º para quitar o cheque especial, as contas atrasadas, o cartão de crédito. Faça uma listinha de todas as coisas pendentes. Aproveite o momento para traçar uma estratégia financeira de longo prazo. São pequenos gestos que podem mudar sua vida, evitando que você se afunde em novas dívidas. Crie uma planilha com gastos diários. Anote suas despesas com moradia, transporte e alimentação, além dos supérfluos.

Nada melhor do que começar o novo ano livre de dívidas. Deixe também espaço para guardar uma graninha. Aprenda a poupar. Não esqueça que imprevistos acontecem e o futuro um dia baterá à sua porta. Agora, se você mantém suas finanças sob controle, separe uma parcela maior do 13º para guardar. Quanto maior for a soma de dinheiro poupado, mais rápido você atingirá a independência financeira e conseguirá colocar em prática seus sonhos de consumo.

Aplicar em poupança é ideal para quem tem pouco dinheiro sobrando e projetos de curto prazo. Se você consegue separar mais grana, arrisque em títulos do governo e fundo de investimentos.

Mas não se martirize se você está longe de ser um exemplo de pessoa equilibrada nas finanças. Um pequeno desejo pode ser realizado com o 13º. Basta saber usá-lo bem!

 

Selomar Palm Blödorn

Presidente ACI/CDL

Domingo, 26 Julho 2015 00:00

OS INIMIGOS MORAM PERTO

Todas as pessoas quando acordam para trabalhar desejariam, com certeza, ter o triunfo, vencer suas metas, conquistar novos e importantes clientes. Só que poucos acabarão conseguindo. E por que será que isso acontece? Na grande maioria das vezes, porque somos derrotados de forma impiedosa pelos nossos inimigos. Pensou nos concorrentes? Esqueça, eles estão muito longe. Os verdadeiros inimigos vivem muito perto da gente.

O maior de todos os inimigos é você mesmo. Digo sempre que você só precisa vencer a você mesmo. Vencer a tendência ao desânimo, vencer a rotina, vencer aquela sensação que lhe faz não experimentar seu máximo é o maior de todos os desafios. A grande maioria das pessoas no mundo ainda não entendeu que as pessoas de sucesso têm uma persistência incomum para seguirem acreditando mesmo quando os outros não acreditam mais. Lute contra o desânimo, não deixe que esses sentimentos contagiem você e acredite que se você realmente usar tudo que sabe no trabalho e colocar amor no que faz, sua vida vai ser cada vez melhor. Quer uma inspiração? Pense agora nas pessoas que você ama e lembre que também por elas você vai dar o seu melhor.

O segundo inimigo são aqueles colegas que, sem maldade nenhuma, acabam puxando você para baixo. E convenhamos, não é fácil resistir trabalhando mais de 08 horas por dia ao lado de alguém que acredita que o melhor está em outra empresa, que a vida é injusta, que não vale a pena se "matar" trabalhando como eles gostam de dizer. São aquelas pessoas que não podem ver você com brilho nos olhos que logo tentam botar você para baixo, porque o que eles mais odeiam é ver alguém triunfando enquanto a vida deles não anda para a frente.

Depois de mais de 30 anos lidando com pessoas, vi tanta gente vencendo na vida e outras passando em branco que possa afirmar, com certeza de que, se você vencer os seus inimigos internos e não deixar que pessoas negativas que trabalham com você acabem com seu entusiasmo, o triunfo é só uma questão de tempo.

Eduardo Tevah.

SELOMAR BLÖDORN

PRESIDENTE ACI/CDL – SLS

EMPRESÁRIO - AGAFARMA

Segunda, 25 Agosto 2014 00:00

Mudar de ideia...

Imagine-se viajando numa lancha com o piloto automático ajustado para o Leste. Se você decidir dar a volta e seguir para o Oeste, haverá duas formas possíveis de mudar a direção do barco. Primeiro é mudar a programação do piloto automático. Segunda forma é agarrar a roda do leme e forçá-la, fisicamente. Com força de vontade você poderia até vencer o piloto automático, mas sentiria constantemente uma resistência. Seus braços acabariam se cansando do esforço, você soltaria a roda do leme e a lancha, instantaneamente, voltaria para o leste da forma em que estava programada.

É isso que acontece quando você tenta mudar sua vida apenas com força de vontade. Você diz: “Vou comer menos... Fazer mais exercícios... Deixar de me atrasar, vou ser mais organizado”. A força de vontade pode produzir mudanças em curto prazo, mas cria uma pressão interna constante, porque você lidou com a causa básica. A mudança não é natural, então você acaba por desistir, sai da dieta, deixa de se exercitar, continua chegando atrasado, a ser mais desorganizado. Você rapidamente retorna aos padrões anteriores.

Seu primeiro passo em direção ao crescimento é começar a mudar sua forma de pensar. Toda mudança deve sempre ocorrer primeiro em sua mente. Sua forma de pensar determina sua forma de sentir, e o que você sente influencia sua forma de agir.

 

SELOMAR BLÖDORN

PRESIDENTE ACI/CDL – SLS

EMPRESÁRIO - AGAFARMA

Terça, 01 Julho 2014 00:00

DEUS MORA NOS DETALHES

ELE está presente nos cogumelos que crescem nos troncos úmidos, nos desenhos simétricos de uma asa de borboleta. É só mudar o olhar para compreender que o divino e a felicidade, se escondem nas pequenas coisas. Muitas pessoas redescobriram a magia da vida quando dirigiram sua atenção para o detalhe, para aquilo que antes não davam valor. Foi o encanto com esse outro Universo, feito de coisas às quais não se atribui importância, que trouxe de volta a alegria ao seu viver. Mudar o foco do nosso olhar para as pequenas coisas, saber extrair delas nossos momentos felizes, valorizar o que temos nas mãos e parar de se angustiar com o que está fora do nosso alcance. Somos nós que atribuímos significado ao mundo, somos nós que vamos ter de redimensionar nosso mundo para sermos mais felizes. Homens e mulheres são pequenos detalhes no Cosmo. Mas tanto o corpo humano como as estrelas são feitos dos mesmos átomos. Deus é assim. Mora no Universo, mas sente enorme prazer em se desdobrar no detalhe. Por tanto, observe a natureza, cultive calma e silêncio. Aprenda há dedicar seu tempo as coisas simples, como as crianças. Observe a curva dos lábios do seu namorado(a), os fios de cabelo de um filho, a beleza da comida no prato. E tenha certeza: Deus vai estar lá!

 

 

SELOMAR BLÖDORN

PRESIDENTE ACI/CDL – SLS

EMPRESÁRIO - AGAFARMA

 

Segunda, 31 Março 2014 00:00

O AMOR NA VISÃO DAS CRIANÇAS!!!

"Amar e não demonstrar é o mesmo que não amar." O QUE é o amor? Esta foi a pergunta feita a um grupo de crianças entre os 4 e os 9 anos, durante uma pesquisa feita por profissionais de educação e psicologia. Emocione-se e divirta-se com as respostas: "Amor é quando alguém te magoa, e tu, mesmo muito magoado, não gritas, porque sabes que isso fere os sentimentos da outra pessoa." Mathew, 6 anos. "Quando minha avó ficou com artrite, e deixou de poder dobrar-se para pintar as unhas dos pés, o meu avô passou a pintar as unhas dela, apesar de ele também ter muita artrite." Rebecca, 8 anos. "Amor é quando uma menina põe perfume e o menino põe loção pós-barba, depois saem juntos e se cheiram um ao outro." Karl, 5 anos. "Eu sei que minha irmã mais velha me ama porque ela me dá todas as roupas velhas e tem que sair para comprar outras." Lauren, 4 anos. "Amor é como uma velhinha e um velhinho que ainda são muito amigos, apesar de se conhecerem há muito tempo." Tommy, 6 anos. "Quando alguém te ama, a forma de dizer o teu nome é diferente..." Billy, 4 anos. "Amor é quando tu sais para comer e ofereces as tuas batatinhas fritas sem esperar que a outra pessoa te ofereça as batatinhas dela." Chrissy, 6 anos. "Amor é quando minha mãe faz café para o meu pai e toma um gole antes, para ter certeza que está ao gosto dele." Danny, 6 anos. "Amor é quando a nossa mãe vê o nosso papai chegar suado e mal cheiroso, e ainda diz que ele é mais bonito que o Robert Redford!" Chris, 8 anos. "Amor é quando o teu cão te lambe a cara, mesmo depois de o teres deixado sozinho o dia inteiro." Mary, 4 anos. SELOMAR BLÖDORN PRESIDENTE ACI/CDL – SLS EMPRESÁRIO - AGAFARMA

InícioAnt12PróximoFim
Página 2 de 2